Make your own free website on Tripod.com


LAW & ECONOMY




MAIN PAGE
Science
LIBRARY
PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DE DIREITO COMUNITÁRIO V
PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DE DIREITO COMUNITÁRIO VI
PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DE DIREITO COMUNITÁRIO VII
PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DE DIREITO COMUNITÁRIO VIII
PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DE DIREITO COMUNITÁRIO IX
PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DE DIREITO COMUNITÁRIO X
PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DE DIREITO COMUNITÁRIO XI
PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO COMUNITÁRIO XII
PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO COMUNITÁRIO XIII
PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO COMUNITÁRIO XIV
PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO COMUNITÁRIO XV
PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DE DIREITO COMUNITÁRIO I
PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DE DIREITO COMUNITÁRIO II
PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DE DIREITO COMUNITÁRIO III
PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DE DIREITO COMUNITÁRIO IV

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO COMUNITÁRIO XII

O PERCURSO DA COMUNIDADE ECONÓMICA EUROPEIA
À
UNIÃO EUROPEIA
 
 
O TRATADO DE MAASTRICHT
 
        O Tratado da União Europeia foi assinado pelos doze Estados-Membros da Comunidade, em 7 de Fevereiro de 1992, na cidade holandesa de Maastricht, em cerimónia sob Presidência portuguesa. Esta publicação tem por objectivo contribuir para a divulgação das novas perspectivas do processo de integração europeia, com base no Tratado de Maastricht.
 
PORQUÊ ESTA REVISÃO DO TRATADO DE ROMA?
 
        O início da década de 90 marca uma viragem fundamental na História europeia, dentro e fora da Comunidade. Essa viragem resulta da conjugação de uma série de factores:
 
Desaparecimento do bloco de Leste que trouxe consigo profundas alterações no equilíbrio geopolítico da Europa e a crescente afirmação autonómica no interior daquele bloco, a qual deu lugar ao aparecimento de novos Estados no mapa europeu;
 
Ä   A concretização, em 1 de Janeiro de 1993, do projecto do Mercado Interno que, eliminando os obstáculos à livre circulação de mercadorias, pessoas, serviços e capitais, encerra um ciclo no processo de integração europeia;
 
Ä   Combate contra o terrorismo, a criminalidade e a droga, que exigirá - no momento em que desaparecem as fronteiras internas da Comunidade - um esforço conjunto dos Doze para garantir a segurança e o bem-estar dos cidadãos;
 
   A crescente agressividade dos principais parceiros comerciais da Comunidade, que aponta para a necessidade de reforçar a coerência económica global do espaço comunitário;
 
Ä   A exigência do reforço da coesão económica e social no espaço europeu, no contexto de um desenvolvimento equilibrado de todas as regiões e Estados da Comunidade;
 
Ä   As grandes questões da defesa do ambiente que, extravasando em muito as fronteiras internas da Comunidade, exigem um esforço conjunto à escala europeia e mundial;
 
Ä   Os grandes desafios na esfera das relações internacionais que impõem que a Comunidade se assuma, na cena internacional, com uma única voz activa e solidária na defesa do interesse comum, seja na perspectiva dos valores da paz, democracia e Direitos do Homem, seja na perspectiva das relações económicas internacionais;
 
Ä   A exigência de uma reforçada dimensão política que permita sustentar o processo de integração económica, consolidado com a realização do Mercado Interno e da União Económica e Monetária;
 
        Para fazer face a tais desafios, a Comunidade procurou respostas:
 
   No plano económico, através da criação de uma União Económica e Monetária que surge na sequência lógica do Mercado Único Europeu. A face mais visível desta União e seu objectivo último é a criação, o mais tardar em 1 de Janeiro de 1999, de uma moeda única - o EURO.
 
  No plano político, transformando a cooperação política entre os Doze (já existente) numa política comunitária - a Política Externa e de Segurança Comum (PESC), reflexo da necessidade de dar à Comunidade uma voz única, mais forte e activa na cena internacional - e reforçando a cooperação no domínio da justiça e dos assuntos internos. Com estas duas medidas, a Comunidade inicia um processo que a conduzirá a uma União Política.
 
        Com a União Económica e Monetária e a União Política, a Comunidade caminha em direcção à União Europeia, no quadro da qual, cada cidadão de um qualquer Estado-Membro terá uma cidadania europeia. Esta cidadania europeia é distinta da cidadania nacional que assim se vê complementada por um novo estatuto, mas não substituída.
 
        Assim, tal como havia sido feito em 1985 com a negociação do Acto Único Europeu, em 1991 os Doze iniciaram novas negociações com o objectivo de alterar, pela segunda vez, os Tratados que criaram as actuais Comunidades. As negociações foram concluídas, ao mais alto nível político, em Dezembro último na Cimeira de Maastricht, tendo-se chegado a acordo sobre o texto de um novo Tratado - o Tratado da União Europeia - hoje conhecido pelo Tratado de Maastricht.
 

© 2003-2016 Jorge Rodrigues Simao. All rights reserved